A fazenda brasileira onde os nazistas mantinham escravos

 

A foto foi tirada em uma fazenda, a cerca de 160 quilômetros a oeste de São Paulo, Brasil. Os tijolos foram encontrados pelo ex-fazendeiro da Fazenda Cruzeiro do Sul, Sr. José Ricardo Rosa Maciel, que não entende bem por que a suástica apareceu.Mas esta não é sua primeira descoberta desse tipo. Em outra ocasião, os porcos do velho quebraram uma parede do chiqueiro e fugiram para o campo. Quando ele foi verificar a parede, ele percebeu que alguns dos tijolos haviam caído e o que ele viu depois foi tão inacreditável que o homem pensou que ele estava tendo alucinações.

Por dentro, cada um desses tijolos estava marcado com o símbolo nazista . Há muitos anos, o Brasil tinha fortes ligações econômicas com a Alemanha nazista, já que o Brasil tinha o maior partido fascista de fora da Europa, com mais de 40.000 membros. Mas muitos anos se passaram antes que Maciel descobrisse quais eram as conexões exatas entre sua fazenda e o Partido Nazista. Finalmente ouviu a história de Sidney Aguilar Filho, professor de história que se deu ao trabalho de fazer um trabalho de detetive na fazenda.

imagem19-04-2022-04-04-31
imagem19-04-2022-04-04-31

Filho conseguiu descobrir que o antigo dono da fazenda era uma família muito rica do Rio de Janeiro. O pai Renato e seus dois filhos, Otavio e Osvaldo, faziam parte de um partido de extrema direita, simpatizante dos nazistas. A organização se chamava Ação Integralista Brasileira.

A família às vezes organizava eventos e convidava um grande número de membros da Ação Integralista Brasileira para a fazenda. No resto do tempo, porém, também foi um local de trabalho brutal e terrível para crianças abandonadas e crianças não brancas.

Filho disse que as crianças eram levadas para lá em grupos. O primeiro grupo chegou em 1933 e eram 10 crianças trazidas de um orfanato do Rio, com outros 2 grupos que deveriam chegar mais tarde. No total, havia 50 crianças trabalhando na fazenda naquela época. A certa altura, um dos dois filhos, Osvaldo Rocha Miranda, se ofereceu para ser o guardião das crianças.

Aloysio da Silva era o 23º. Lembra-se de Osvaldo mandando o motorista buscar as crianças e depois apontava para cada uma delas, dizendo quem ia com ele e quem ia ficar. Ele prometeu às crianças que as levaria a um lugar agradável, onde jogariam futebol e cavalgariam; todas as mentiras, infelizmente.

Eram espancados, eram vigiados por cães e só eram chamados por números. Eles tiveram que limpar as ervas daninhas da fazenda e mantê-la sempre limpa.

“Havia fotos de Hitler e você foi obrigado a cumprimentar. Não entendi nada ”, disse Argemiro dos Santos, outro dos meninos que trabalhava lá.

Foto: cenasdecombate.com

    Fonte: portalvarada.com/artigos/a-fazenda-brasileira-onde-os-nazistas-mantinham-escravos