Após 'abril vermelho', MST prepara novas ações pela reforma agrária popular

– “A jornada foi além das nossas expectativas. E ela significa uma retomada: não paramos por aí. No mês de maio temos várias ações programadas”. Márcio Santos ajeita o boné do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), cuja coordenação integra, ao avaliar as cerca de 60 ações da  feitas pelo movimento durante o mês de abril.  

Com o tema “Por terra, teto e pão”, o chamado abril vermelho – relembrando o , que em 2022 completou 26 anos – marcou a retomada das ações massivas do MST depois de dois anos desde que a pandemia de covid-19 começou. 

Assim, marchas, retomadas de latifúndios, plantio de árvores, distribuição de toneladas de alimentos, shows, o 16° Acampamento Pedagógico da Juventude Sem Terra Oziel Alves e ocupações de sedes do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) foram as principais ações recentes do MST.  

Apesar de chamada de abril vermelho, a jornada começou antes e deve seguir depois do fim mês. Já no fim de março, uma mobilização nacional articulada entre movimentos sociais do campo e da cidade pressionou o STF a prorrogar a suspensão de despejos na pandemia até 30 de junho.   

“Estamos ”, avalia Márcio Santos, de São Paulo. Desse modo, ele garantiu que o movimento “tem uma série de atividades e ocupações programadas para o início de maio”.  

“Nós temos ainda 80 mil famílias acampadas de norte a sul. É o reflexo dessa política concentradora de terra e riqueza no campo brasileiro”, frisa. 

O retorno da reforma agrária popular 

Depois de dois anos sem encontros presenciais, cerca de 150 jovens sem terra dos estados do Pará, Maranhão e Tocantins se reuniram novamente no Acampamento da Juventude em Eldorado do Carajás entre 13 e 17 de abril.  

No Rio de Janeiro, Sergipe, Bahia, e Espírito Santo houve protestos nas sedes do Incra, em denúncia à paralisação da reforma agrária. Na Bahia, o Incra foi ocupado após uma  de Feira de Santana até a capital do estado, com 3.500 pessoas. 

Para Polly Soares, ativista do Pará, também da coordenação nacional da frente de massas do MST, a jornada marca “o retorno da reforma agrária popular”.  

“Vivemos um processo no Brasil desde 2016, e principalmente durante o governo Bolsonaro, de criminalização dos movimentos sociais, paralisação da reforma agrária e desestruturação dos seus órgãos reguladores”, avalia. “Um processo que busca tornar a reforma agrária uma pauta superada”, sintetiza Polly. 

“Quando trazemos isso de volta numa jornada de lutas depois de dois anos, nós estamos dizendo: esta pauta não está superada”, afirma. “Pelo contrário: a reforma agrária popular é necessária. É assim, com a produção de , com distribuição de terra e com qualidade de vida para os trabalhadores do campo e da cidade que nós vamos superar a situação de crise econômica que nosso país foi colocado pelo governo Bolsonaro”, expõe Soares.

A jornada de lutas do MST foi marcada também por ocupações de terra nos estados do Rio Grande do Norte, Ceará, Paraíba, Santa Catarina, Distrito Federal e Bahia. 

imagem03-05-2022-02-05-19
imagem03-05-2022-02-05-19
MST ocupou area na cidade de Rio do Fogo (RN) em 17 de abril,  Dia Mundial de Luta pela Terra (Divulgação/MST)

Em Guaratinga (BA), mais de 100 famílias ocupam, desde o início de abril, a fazenda improdutiva Mata Verde. Em Ipueiras (CE), 80 famílias ocuparam a fazenda Lagoa dos Veados, reivindicando que o governo cearense desaproprie a área por meio da lei estadual 17.533/21. 

Da mesma forma, no Rio Grande do Norte trabalhadores rurais fizeram duas ocupações de latifúndios. Uma no município de Barra de Maxaranguape e outra no de Rio do Fogo, litoral norte do estado. Esta última recebeu o nome de ocupação Paraíso dos Carajás. Na Paraíba, cerca de 50 famílias ocuparam a usina Maravilha, na cidade de Caapora.

Além disso, famílias do acampamento Quintino Lira em Santa Luzia (PA) fizeram uma ocupação simbólica, temporária, na Fazenda Cambará. No local, ficam armazenados os maquinários usados para destruir a área de reserva e as roças das famílias sem terra.  

Nesse sentido, a ocupação de terras, lembra Márcio, “é um método usado pelo MST desde que surgiu, no começo dos anos 1980. Ou seja, é a característica fundamental do movimento: organizar trabalhadores e fazer ocupações como forma de denúncia dessa estrutura agrária extremamente arcaica que o nosso país possui. Ao mesmo tempo, reivindicar a terra para os camponeses”.  

“Muito se falou que o Bolsonaro ia acabar com o MST, que isso e aquilo. As ocupações demonstram exatamente o contrário”, atesta: “Nós estamos vivos, mais do que nunca”. 

 

  

Fonte: www.redebrasilatual.com.br/cidadania/2022/05/apos-abril-vermelho-mst-prepara-novas-acoes-pela-reforma-agraria-popular