Chuvas: 7 cidades maranhenses seguem em estado de emergência | O Imparcial

O ano de 2021 não encerrou bem e o de 2022 não teve um bom início para as mais de 800 famílias maranhenses atingidas pelas cheias dos rios Itapecuru, Tocantins e Mearim, desde que começou a chover intensamente no estado.

De acordo com o Corpo de Bombeiros do Maranhão, cerca de 842 famílias estão desalojadas ou desabrigadas. A situação é crítica para moradores de Mirador, Grajaú, Jatobá, Paraibano, Formosa da Serra Negra, Barra do Corda e Imperatriz que tiveram suas residências e/ou estabelecimentos inundados pela enchente dos rios.

No município de Mirador, a cheia do Rio Itapecuru deixou pelo menos 203 famílias desabrigadas e desalojadas. Embora o nível do rio tenha apresentado tendência de baixa nos últimos dias, ainda acumula grande volume, marcando o nível de 4,7 metros.

Alguns povoados seguem isolados. Uma operação de auxílio à população já está sendo realizada pelo Corpo de Bombeiros em conjunto com a Secretaria de Estado das Cidades (SECID). A prioridade dos bombeiros é a retirada de pessoas dos locais de riscos e a distribuição de alimentos e medicamentos para a pessoas afetadas.

Em Imperatriz, o nível do Rio Tocantins ultrapassou a marca dos 9 metros na região do Cais do Porto e deixou 244 famílias desabrigadas ou desalojadas.  Nas cidades de Trizidela do Vale e Pedreiras, o rio Mearim chegou à marca de 5,54 metros, marca inferior, porém de alerta, pois próximo da cota de inundação.

De acordo com o Governo do Estado, até segunda-feira (10), 100 abrigos públicos estavam prontos para receber as famílias que estão sendo retiradas pelos bombeiros dos locais de maior risco.

Para enfrentar a crise e ajudar a população, um comitê com órgãos do estado foi criado e está percorrendo as cidades afetadas pelas inundações. Ele é liderado pelo vice-governador Carlos Brandão, uma vez que o governador Flávio Dino cumpre quarentena após ser diagnosticado com Covid-19.

Dentre as principais ações do governo estadual está a distribuição de 3,9 mil cestas básicas para a população atingida pelas enchentes. Foram despachadas 2,1 mil cestas básicas para a região de Colinas, mil para Mirador e 750 para Imperatriz.

Além das equipes operacionais e do monitoramento periódico das condições do tempo e volumes dos rios, o Corpo de Bombeiros segue prestando apoio técnico aos municípios. Das orientações e promoção de procedimentos legais para decretação da Situação de Emergência e na execução de processos para solicitar auxílio às famílias atingidas.

Fonte: oimparcial.com.br/noticias/2022/01/chuvas-7-cidades-maranhenses-seguem-em-estado-de-emergencia