Wellington do Curso denuncia vazamento de óleo

O deputado Wellington do Curso utilizou as suas redes sociais para denunciar um vazamento de óleo diesel no mar que segundo ele teria sido causado pela Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP).

Em seu instagram ele afirma que cerca de 180 mil litros de óleo foram vazados e que ele acionou a Polícia Federal e o Ministério Público Federal para realizar a investigação do caso.

imagem07-11-2020-05-11-59Foto: reprodução

Através de nota, a EMAP afirmou que o plano de contingência do porto foi acionado assim que verificado o vazamento e que a empresa privada responsável pela operação de contenção e limpeza agiu de imediato para controlar a ocorrência.

A EMAP também afirma que em sua qualidade de autoridade portuária foi ela quem comunicou os órgãos ambientais, e atuou desde o primeiro momento no monitoramento da contenção, com o objetivo de minimizar possíveis impactos e que as operações do Porto do Itaqui seguem dentro da normalidade.

O vazamento ocorreu no terminal da empresa Ultracargo.

A Ultracargo informou que pelos cálculos apurados, o volume de diesel vazado no mar na quarta-feira, dia 04 de novembro, foi de aproximadamente 20 m³, ou seja 20 mil litros, cuja coleta já foi realizada e que o monitoramento e as demais ações preventivas continuam em andamento.

A empresa ressaltou também que no momento do vazamento implementou algumas ações mitigadoras, como instalação de barreiras de contenção, mantas absorventes, monitoramento por lanchas e recolhimento do produto com o uso de caminhões sugadores.

A companhia informou ainda que está averiguando todas as causas do vazamento. A Ultracargo lamenta o ocorrido e reforça que cumpre protocolos rígidos de segurança e investe constantemente em iniciativas de mitigação de riscos em suas operações. A empresa possui em todos os terminais de armazenagem de combustíveis um sistema de proteção e combate a incêndios que supera as exigências legais e normativas vigentes no país.

 

 

Fonte: oimparcial.com.br/meio-ambiente/2020/11/wellington-do-curso-denuncia-vazamento-de-oleo