Crise dos chips pode deixar celulares ainda mais caros

O preço dos celulares pode subir ainda mais em 2021. O motivo seria a crise que afeta atualmente a produção dos chips semicondutores, componentes essenciais na fabricação dos smartphones. Rumores veiculados na imprensa chinesa apontam para a possibilidade de escassez de itens produzidos pela TSMC, a maior empresa deste setor no planeta. Caso a baixa oferta seja confirmada, estima-se que o encarecimento das peças possa ir a 25% até o final do ano.

🤩 Encontre os melhores celulares com excelentes descontos

1 de 2 Escassez de semicondutores da TSMC pode fazer smartphones ficarem mais caros em 2021 — Foto: Divulgação/Samsung

Escassez de semicondutores da TSMC pode fazer smartphones ficarem mais caros em 2021 — Foto: Divulgação/Samsung

A atual escassez de semicondutores é consequência da alta demanda e da consequente impossibilidade de produzir mais chips em menos tempo. O descompasso parece afetar toda a indústria de eletrônicos e até mesmo montadoras de automóveis, que dependem do componente para implementar tecnologias que vão de airbags a direção autônoma.

A incapacidade de atender a pedidos, segundo a TSMC, estaria relacionada também à falta de chuvas na região onde a empresa está sediada. O local teria recebido apenas metade do volume de precipitações em 2020 na comparação com o ano anterior. O fator natural, que foge do controle da empresa, obriga a fabricante a providenciar meios alternativos de abastecimento de água para suas instalações, aumentando despesas enquanto a produção de chips é afetada.

O eventual aumento no preço dos semicondutores significaria processadores e placas de vídeo mais caros e poderia impactar nos valores de outros componentes de smartphones, influenciando nos preços de prateleira. Vale lembrar que a Qualcomm, conhecida por fornecer processadores para diversas marcas de celulares, depende diretamente da TSMC e da Samsung para obter outros componentes.

2 de 2 Processador Snapdragon 888 — Foto: Divulgação/Qualcomm

Processador Snapdragon 888 — Foto: Divulgação/Qualcomm

A TSMC que já produz chipsets de 5 nanômetros e pretende iniciar a fabricação de componentes de 3 nanômetros. Os chips de nova geração devem fornecer de 25% a 30% mais desempenho e 10% a 15% menor consumo de energia. A expectativa é que os lançamentos sejam ainda mais caros.

Não é a primeira vez que a escassez do componente afeta a indústria de eletrônicos. A Samsung por exemplo, indicou a possibilidade de pular a linha do Galaxy Note neste ano. Embora a fabricante não tenha citado a escassez de semicondutores, a crise pode interferir na decisão da fabricante sul-coreana de adiar o lançamento do aparelho.

Com informações de GizmoChina e Valor Econômico

Qualcomm quer levar 5G para as massas com novo processador Processador ARM: tudo sobre os futuros chips dos computadores da Apple Robô 5G tatua braço de mulher e vira exemplo no exterior

Golpes no WhatsApp para ficar de olho em 2021

Fonte: www.techtudo.com.br/noticias/2021/04/crise-dos-chips-pode-deixar-celulares-ainda-mais-caros.ghtml