Papo Reto debate futuro da OAB alagoana sob perspectiva da advocacia feminina – Alagoas 24 Horas: Líder em Notícias On-line de Alagoas

Em um ano onde a paridade de gênero será obrigatoriedade nas eleições da Ordem dos Advogados do Brasil seccional Alagoas (OAB-AL), as advogadas alagoanas lotaram, na noite de quinta-feira, 23, um salão na parte baixa de Maceió para discutir o futuro da Ordem sob a perspectiva feminina, no evento Papo Reto, realizado pela pré-candidatura de…

Em um ano onde a paridade de gênero será obrigatoriedade nas eleições da Ordem dos Advogados do Brasil seccional Alagoas (OAB-AL), as advogadas alagoanas lotaram, na noite de quinta-feira, 23, um salão na parte baixa de Maceió para discutir o futuro da Ordem sob a perspectiva feminina, no evento Papo Reto, realizado pela pré-candidatura de Ednaldo Maiorano e Manuela Gatto à presidência e vice, respectivamente, da entidade.

Em pauta, sugestões de propostas de como a Ordem pode fortalecer a advocacia feminina, seja na estruturação de espaços físicos adequados às mulheres, na melhor preparação de servidores públicos para atendê-las ou no incentivo para que as mesmas ocupem cargos de liderança e de tomada de decisão.

Manuela Gatto, professora universitária, advogada da Vara da Família e mãe de duas crianças, representa bem a força e garra feminina na conquista desses espaços. Em seu discurso, ela abordou temas como as conquistas femininas que às levaram a exercer a advocacia e a proteção aos direitos das mulheres. “Enquanto a prerrogativa de uma mulher for violada, nós todas somos violadas. Não podemos permitir que qualquer prerrogativa seja colocada em risco, porque toda a Ordem fica em risco”, afirmou, sob aplausos.

Ela disse ainda que a defesa das prerrogativas auxilia a valorização da advocacia em geral, mas muito mais para enfrentamento da desigualdade de gênero que ainda existe, e destacou a necessidade de se ter uma representatividade legítima, concreta, com força e voz ativa para que se tenha uma OAB cada vez mais fortalecida. “Não quero uma igualdade formal, teórica, mas sim uma igualdade material. Não podemos permitir que as nossas diferenças sejam bandeiras para uma desigualdade. Todas nós queremos ser líderes, participar dos cargos de confiança, ser presidentes de comissão, com valorização, e assim seremos, é esse caminho que vamos trilhar”, completou.

A conselheira federal da Ordem, Fernanda Marinella, primeira mulher a ocupar a presidência da OAB alagoana, participou do Papo Reto e defendeu uma rede de proteção que una as advogadas. Segundo ela observou, o número de mulheres na advocacia alagoana é igual ao dos homens. “Se pagamos metade da conta, queremos sentar na metade da mesa”, afirmou, enfatizando que a união entre as advogadas é “fundamental para a superação das crises econômicas, crise pós-pandemia e o momento difícil enfrentado em todo o país, uma vez que as mulheres têm que provar sua credibilidade e atributos técnicos para serem reconhecidas”.

Maiorano foi citado por várias advogadas pelo “equilíbrio, sensatez e serenidade” com que tem conduzido sua trajetória na entidade e no Direito, “sempre ao lado das lutas das mulheres pelo fortalecimento da advocacia feminina em Alagoas”. A advogada Anne Caroline Fidelis, presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-AL, que categorizou: “Maiorano é um aliado. Quantas vezes não já nos encontramos nas lutas, já levamos a frente pautas tidas como hostis e de difícil trato, sei da potência de sua trajetória e por isso ele me representa”. Outra advogada que vê em Maiorano uma liderança positiva é Luciana Pontes, da Associação de Mulheres de Carreira Jurídica (ABMCJ-AL). “Quem conhece Maiorano não deixa de votar nele porque é Maiorano é um homem com alma feminina, não tem um pedido de mulher ou de comissão nenhuma que não seja ouvido e atendido por Maiorano”, destacou.

O evento foi realizado obedecendo todas as medidas preventivas contra a covid-19.

Fonte: www.alagoas24horas.com.br/1386125/papo-reto-debate-futuro-da-oab-alagoana-sob-perspectiva-da-advocacia-feminina