Mãe relembra filho que morreu por Covid-19: ‘Tantas mães assim como eu estão sofrendo’

Em 24 de janeiro deste ano, Renê Von Brown morreu, aos 33 anos, após contrair Covid-19. Deixou a esposa, o filho de 1 ano, e toda a família que sempre esteve ao lado dele. A mãe, Maria Auxiliadora, de 60 anos, relembra a infância e juventude do filho que, neste domingo (9), não estará com ela. “Estamos lutando para superar essa dor imensurável. Difícil! Tantas mães assim como eu estão sofrendo”, afirmou.

Vida pacata e convivência tranquila, cresceram Renê e Stephanie no município de Bayeux, na Grande João Pessoa. Cuidados e investimentos na educação foram primordiais para os filhos de Seu José, de 63 anos, e Dona Auxiliadora, que acompanharam de perto o desenvolvimento deles. Na juventude, algumas dificuldades surgiram após os pais ficarem desempregados. O que poderia prejudicar a formação, acabou motivando e incentivando o crescimento e esforços pessoais dos dois filhos. Ambos, formados hoje.

Somente aos 31 anos Renê saiu da casa dos pais. Stephanie saiu quando casou, aos 24. Desde então, a vida de Maria Auxiliadora se tornou menos agitada com a ausência dos filhos. Apesar disso, encontros familiares eram frequentes e cessavam a saudade alimentada. “Meus filhos nasceram numa relação familiar com dificuldades, mas sempre mostrei pra eles a realidade da vida. Cresceram lutando, correndo atrás dos seus objetivos com dificuldades e nada foi fácil, mas cresceram responsáveis”, diz Auxiliadora, orgulhosa dos filhos.

O adeus ao filho

Aos 33 anos, dois anos após a saída da casa da mãe, Renê Von Brown morreu vítima da Covid-19. Sem fazer parte do grupo de risco da doença e sem ter comorbidades, ele passou 20 dias internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), mas não resistiu às complicações causadas pelo novo coronavírus.

“Renê escondeu nos primeiros dias que estava contaminado, só contou quando piorou. Achávamos que ele sairia dessa porque estava fazendo todo protocolo de cuidado. Engano! Ele sempre foi uma criança saudável, nunca precisou de antibióticos, mas o corpo dele criou resistência ao tratamento da doença”, disse a irmã, Stephanie.

Ele começou a sentir os sintomas da infecção durante as comemorações de fim de ano em família, que aconteceram em Sousa, cidade natal da esposa Sabrina Vieira, de 31 anos. Após uma corrida, no dia 23 de dezembro, o professor chegou em casa com dores no corpo. Três dias depois, os sintomas se agravaram com febre. No oitavo dia de sintomas, ele passou por um exame médico que constatou 60% de comprometimento pulmonar. Renê foi transferido para o Hospital de Clínicas, em Campina Grande, com um cateter nasal, mas sem falta de ar.

“Ficamos bastante preocupados. Não sabíamos o que era ter uma noite de sono. Foram orações, súplicas, vigílias, de uma mãe que tinha o seu filho lutando pela sua cura. O pior de todos os momentos da família foi quando recebi a notícia de que ele tinha partido”, contou Auxiliadora.

A evolução do paciente foi gradativa e ele passou 20 dias entubado. Durante os 15 primeiros dias ele teve uma boa recuperação, mas a Covid-19 desenvolveu uma infecção pulmonar causada por uma bactéria que não respondeu ao tratamento com antibióticos. Na madrugada do domingo, 24 de janeiro, Renê teve uma parada respiratória e morreu.

Fonte: Com G1/PB Enviar no WhatsApp

Fonte: paraibaempauta.com.br/noticia/17810/mae-relembra-filho-que-morreu-por-covid-19-tantas-maes-assim-como-eu-estao-sofrendo.html