A covid-19 veio para ficar? O que significa um vírus se tornar endêmico

Tradução a partir de – Agora que crianças de 5 a 11 anos são elegíveis para a vacinação contra a covid-19 nos Estados Unidos e o número de pessoas totalmente vacinadas no país está aumentando, muitas pessoas podem estar se perguntando qual é o “ponto final” da . No início da pandemia, não era improvável esperar que o Sars-CoV-2 (o vírus causador da covid-19) pudesse desaparecer, já que historicamente isso aconteceu com alguns vírus pandêmicos.

O Sars-CoV, por exemplo, o coronavírus responsável pela primeira  se espalhou por 29 países e regiões, infectando mais de 8 mil pessoas de novembro de 2002 a julho de 2003. Mas graças às  em saúde pública, o Sars-CoV não é observado em humanos há quase 20 anos e agora é considerado extinto.

Por outro lado, os vírus pandêmicos também podem gradualmente se estabelecer em uma taxa de ocorrência relativamente estável, mantendo uma relação constante entre hospedeiros infectados capazes de espalhar o vírus para outros. Dizem que esses vírus são “endêmicos”.

Exemplos de vírus endêmicos nos Estados Unidos incluem aqueles que causam  e a gripe , que aparecem ano após ano. Assim como estes, o vírus que causa a covid-19 provavelmente não vai morrer, e a maioria dos especialistas agora espera que ele 

Somos uma equipe de virologistas e imunologistas da Universidade de Boulder, no Colorado, estudando vírus animais que infectam humanos. Um foco essencial de nossa pesquisa é identificar e descrever as principais adaptações que estes vírus requerem para persistir na população humana

Então, fica a pergunta: por que o primeiro vírus sars de 2003 (Sars-CoV) foi extinto enquanto este (Sars-CoV-2) pode se tornar endêmico?

O destino final de um vírus depende de quão bem ele mantém sua transmissão. De um modo geral, o fato de determinados vírus serem altamente contagiosos significa que se espalham muito bem de uma pessoa para outra. Ou seja, podem nunca morrer por conta própria, já que são eficientes em encontrar novas pessoas para infectar.

Quando um vírus entra pela primeira vez em uma população sem imunidade, sua capacidade de contágio é definida por cientistas usando um termo matemático simples, chamado R0, que é pronunciado “R-naught”. Isso também é referido como o número de reprodução. O número de reprodução de um vírus representa quantas pessoas, em média,  Por exemplo, o primeiro Sars-CoV tinha um R0 de cerca de 2, o que significa que cada pessoa infectada passa o vírus para duas pessoas em média. Para a variedade variante delta de Sars-CoV-2, .

O objetivo das autoridades de saúde pública é diminuir a taxa pela qual os vírus se espalham. Mascaramento universal, distanciamento social, rastreamento de contatos e quarentenas são  Como o Sars-CoV era pouco transmissível, foi preciso um pouco de intervenção em saúde pública para levar o vírus à extinção. Dada a natureza altamente transmissível da variante delta, o desafio para eliminar o vírus será muito maior, o que significa que o vírus é mais provável de se tornar endêmico.

É claro que o Sars-CoV-2 é muito bem-sucedido em encontrar novas pessoas para infectar, e que as pessoas podem  Por essas razões, não se espera que a transmissão desse vírus acabe. É importante que possamos entender por que o Sars-CoV-2 se move tão facilmente de uma pessoa para outra, e como o comportamento humano interfere na transmissão do vírus.

O Sars-CoV-2 é um vírus respiratório que se espalha pelo ar e é transmitido eficientemente quando as pessoas se reúnem. Intervenções críticas em saúde pública, como  têm sido fundamentais para retardar a propagação da doença. No entanto, qualquer lapso nessas medidas de saúde pública pode ter consequências terríveis. Por exemplo, um rali  de 2020 reuniu cerca de 500 mil pessoas em Sturgis, Dakota do Sul, durante as primeiras fases da pandemia. A maioria dos participantes foi sem máscaras e não praticava o distanciamento social. Esse evento foi diretamente responsável por  no estado de Dakota do Sul e em todo o país. Isso mostra a facilidade com que o vírus pode se espalhar quando as pessoas baixam a guarda.

O vírus que causa a covid-19 é frequentemente  nos quais muitas pessoas são infectadas de uma só vez, normalmente por um único indivíduo infectado. Na verdade,  que apenas 2% das pessoas infectadas carregam 90% do vírus que está circulando em uma comunidade. Essas importantes “superportas” têm impacto desproporcionalmente grande na infecção de outros, e se estas pessoas não forem rastreadas antes de espalharem o vírus para a próxima pessoa, continuarão a sustentar a epidemia. Atualmente, os Estados Unidos não têm um programa nacional de triagem voltado para identificar esses indivíduos.

Por fim, as pessoas infectadas de forma assintomática respondem por cerca de metade de todas as infecções pela covid-19. Isso, quando combinado com um amplo intervalo de tempo em que as pessoas podem estar infecciosas – dois dias antes e 10 dias depois do aparecimento dos sintomas –, oferece muitas oportunidades para a transmissão do vírus, uma vez que as pessoas que não sabem que estão doentes geralmente tomam poucas medidas para se isolar das outras. A natureza contagiosa do Sars-CoV-2 e nossa sociedade altamente interconectada constituem uma tempestade perfeita que provavelmente contribuirá para a propagação sustentada do vírus.

Dadas as considerações discutidas acima e o que sabemos sobre a covid-19 até agora,  que o vírus que causa a doença provavelmente se estabelecerá em padrões endêmicos de transmissão. Mas nossa incapacidade de erradicar o vírus não significa que toda a esperança está perdida.

Nosso futuro pós-pandemia dependerá fortemente de como o vírus evoluirá nos próximos anos. O Sars-CoV-2 é um vírus humano completamente novo que ainda está se adaptando ao seu novo hospedeiro. Com o tempo, podemos ver o vírus se tornar menos patogênico, semelhante aos  que representam pouco mais do que um incômodo sazonal.

Os programas globais de vacinação terão o maior impacto na redução de novos casos da doença. No entanto, a campanha de vacinação Sars-CoV-2 até agora tocou apenas uma pequena porcentagem de pessoas no planeta. Além disso,  ainda ocorrem porque nenhuma vacina é 100% eficaz. Isso significa que as vacinas de reforço provavelmente serão necessárias para maximizar a proteção induzida por vacinas contra infecções.

Com a vigilância global do vírus e a velocidade com que vacinas seguras e eficazes foram desenvolvidas, estamos bem preparados para enfrentar o alvo em constante evolução que é o Sars-CoV-2. A influenza é endêmica e evolui rapidamente, mas a vacinação sazonal permite que a vida continue normalmente. Podemos esperar o mesmo para Sars-CoV-2 – eventualmente.

 já circulam em humanos endemicamente. Eles tendem a se repetir anualmente, em geral durante os meses de inverno, e afetam mais as crianças do que os adultos. O vírus que causa a covid-19 ainda não se estabeleceu nesses padrões previsíveis e, em vez disso, está se espalhando de maneira imprevisível em todo o mundo de formas que tornam difícil prever seu comportamento.

Uma vez que as taxas de Sars-CoV-2 se estabilizem, podemos chamá-lo de endêmico. Mas essa transição pode parecer diferente com base em onde você está no mundo. Por exemplo, países com alta cobertura vacinal e reforços abundantes podem em breve se estabelecer em picos previsíveis de covid-19 durante os meses de inverno, quando as condições ambientais são mais favoráveis à transmissão do vírus. Por outro lado, epidemias imprevisíveis podem persistir em regiões com menores taxas de vacinação.

Sara Sawyer é co-fundadora da Darwin Biosciences, uma empresa de diagnóstico de doenças infecciosas com sede em Boulder, Colorado. Ela recebe financiamento dos institutos nacionais de Saúde. Cody Warren recebe financiamento dos institutos nacionais de Saúde. Arturo Barbachano-Guerrero não trabalha, consulta, possui ações ou recebe financiamento de qualquer empresa ou organização que se beneficie deste artigo, e não divulgou nenhuma afiliação relevante além de sua nomeação acadêmica.

Artigos desta seção não necessariamente expressam opinião da RBA

Fonte: www.redebrasilatual.com.br/saude-e-ciencia/2021/11/covid-19-virus-tornar-endemico