“Banho de sangue no Jacarezinho foi um desafio ao Supremo”, diz Luiz Eduardo Soares

O antropólogo e cientista político Luiz Eduardo Soares falou, à TV 247, em “genocídio de jovens negros e pobres” e disse que, ou o STF reage, ou o Brasil estará legalizando a barbárie

O antropólogo e cientista político Luiz Eduardo Soares, em entrevista ao Boa Noite 247, afirmou que a Chacina do Jacarezinho foi um desafio ao Supremo Tribunal Federal (STF), que havia proibido, por liminar, operações policiais em favelas durante a pandemia da Covid-19.

“Além da prática reiterada [nas favelas], nós temos um desafio lançado ao Supremo, com consequências muito graves para o que nos resta de democracia”, afirmou. Segundo ele, a chacina é de “imensa gravidade”, pois “tivemos um massacre, um banho de sangue. Mais uma demonstração de barbárie sem limite”.

O antropólogo falou em “genocídio de jovens negros e pobres, nas favelas, periferias e territórios vulneráveis” e disse que, ou o STF reage, ou o Brasil estará legalizando a barbárie.

Ainda, segundo ele, a tentativa da Polícia Civil de culpar o STF pela chacina, afirmando que ela foi necessária pelo suposto aumento da criminalidade em decorrência das proibições definidas pela Corte, é um ‘escárnio cínico e inacreditável’.

Brasil 247