Regulador de saúde do Brasil suspende uso de 12 milhões de vacinas contra Sinovac

 (Reuters) – A agência reguladora de saúde federal do Brasil, Anvisa, suspendeu no sábado o uso de mais de 12 milhões de doses da vacina COVID-19 desenvolvida pela chinesa Sinovac Biotech Ltd (SVA.O) que eram produzidas em planta não autorizada. disse em um comunicado.

A Anvisa disse ter alertado nesta sexta-feira pelo instituto do Butantan, de São Paulo, centro biomédico que fez parceria com a Sinovac para envasar e finalizar localmente as vacinas, que 25 lotes, ou 12,1 milhões de doses, enviados ao Brasil foram feitos na planta.

“A unidade fabril … não foi fiscalizada e não foi homologada pela Anvisa na autorização de uso emergencial da referida vacina”, disse o órgão regulador. A proibição foi “uma medida de precaução para evitar a exposição da população a possíveis riscos iminentes”, acrescentou.

O Butantan disse ainda à Anvisa que outros 17 lotes, totalizando 9 milhões de doses, foram produzidos na mesma fábrica e estão a caminho do Brasil, informou o órgão regulador.

Durante a proibição de 90 dias, a Anvisa buscará fiscalizar a fábrica e saber mais sobre a segurança do processo de fabricação, informou.

Durante o lançamento da vacina no Brasil no início deste ano, a grande maioria das vacinas administradas era de Sinovac. Desde então, mais fotos de outros fabricantes estão online.

O Brasil relatou no sábado 21.804 novos casos de coronavírus e 692 mortes por COVID-19.Reportagem de Gabriel Stargardter; Edição de Richard Chang

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.