Perpétua: “sem auxílio emergencial, vida do pobre vai ser mais dura em 2021”

Deputada federal Perpétua Almeida, líder do PCdoB na Câmara. Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

A líder do PCdoB na Câmara, deputada federal Perpétua Almeida (AC), defendeu a continuidade do auxílio emergencial: “a vida do pobre vai ser mais dura em 2021”.

“Inflação, desemprego e mortes por covid-19 em alta. Bolsonaro precisa olhar para o povo e retomar o pagamento do auxílio emergencial, já. A população não pode ficar com as mãos abanando!”, manifestou-se a parlamentar em rede social.

Para Perpétua, “o povo não tem trabalho, mas as máquinas que reajustam os preços trabalham diariamente. Os mais pobres são os que mais sofrem com a carestia. E o governo Bolsonaro continua negando a renovação do auxílio emergencial, mesmo no momento mais difícil do país”.

Em meio aos recordes diários de novos casos de Covid-19 nas últimas semanas, e mortes pela doença, que já ultrapassam a marca de 200 mil no país, deputados e senadores estão fazendo pressão pela retomada do auxílio emergencial.

A última parcela do auxílio foi creditada nas contas dos beneficiários no dia 29 de dezembro e os saques derradeiros ainda serão feitos ao longo de janeiro. Em nove meses, 67,9 milhões de pessoas receberam a renda emergencial. Com o fim do auxílio, cerca de 59 milhões perderam o auxílio na virada do ano. Cerca de 17 milhões de pessoas estarão na extrema pobreza, segundo pesquisadores da Fundação Getúlio Vargas.

Fonte: horadopovo.com.br/perpetua-sem-auxilio-emergencial-vida-do-pobre-vai-ser-mais-dura-em-2021