Trágica conduta de Bolsonaro paralisa montadoras

Metalúrgicos do ABC. Foto: Adonis Guerra SMABC/CUT

As montadoras Volkswagen, Mercedes-Benz, Toyota, Nissan, Honda, Volvo e Scania decidiram paralisar suas produções no Brasil diante dos recordes diários de casos de Covid-19 e de mortes pela doença no país. A maioria das multinacionais decidiu conceder férias coletivas aos funcionários que atuam dentro das fábricas e manter equipes dos escritórios trabalhando de casa.

Nesta sexta-feira (26), a Honda anunciou que também irá paralisar a sua produção nas unidades de Sumaré e Itirapina, no interior de São Paulo. Segundo a empresa, as operações destas fábricas irão ser suspensas de 30 de março a 9 de abril, com retorno previsto para 12 de abril.

Hoje, a Mercedes-Benz paralisou a produção de suas fábricas, em São Bernardo do Campo (SP) e Juiz de Fora (MG). O retorno das atividades deve acontecer em 5 de abril. Segundo a empresa, a medida foi adotada a fim de reduzir a circulação de trabalhadores dentro das plantas.

Já as atividades de todas as unidades da Volkswagen no país estão suspensas desde o dia 24 de março . De acordo com a montadora, a decisão foi tomada por conta do agravamento da pandemia, que consequentemente elevou a taxa de ocupação dos leitos de UTI no país.

“A empresa adota esta medida a fim de preservar a saúde de seus empregados e familiares”, disse, através de um comunicado. O retorno dos funcionários está programado para 4 de abril.

A Toyota irá suspender sua produção a partir da próxima segunda-feira (29). Com cerca de 5.600 funcionários no país, a companhia diz que a decisão foi tomada em conjunto com os representantes dos funcionários  das fábricas paulistas localizadas em São Bernardo do Campo, Sorocaba, Porto Feliz e Indaiatuba. O retorno ao trabalho está programado para os dias 5 e 6 de abril.

Ontem (25), a fabricante japonesa Nissan também anunciou que vai dar férias coletivas a seus funcionários, entre 26 de março e 9 de abril, da fábrica em Resende, no Rio de Janeiro.  

A Renault também decidiu interromper a sua produção em São José dos Pinhais (PR), entre 29 de março a 1º de abril. De acordo com a francesa,  o objetivo é contribuir com o isolamento social. A decisão atinge cerca de 5 mil funcionários.

A empresa de veículos pesados Volvo decidiu por reduzir 70% da sua produção de caminhões na unidade de Curitiba, entre 23 e 31 deste mês. Segundo a sueca, a decisão foi tomada diante do “alto nível de instabilidade na cadeia, global e local, de abastecimento de peças, principalmente semicondutores, combinado com o agravamento da pandemia”, informou a Volvo em nota. A medida afeta cerca de dois mil trabalhadores da produção de caminhões.

Já as atividades da Scania estão suspensas entre hoje (26) até 5 de abril. Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos da região de São Bernardo do Campo, a decisão da Scania ocorreu após negociação com a entidade. 

A paralisação das atividades em sete montadoras de peso é mais uma resultante da trágica condução do governo Bolsonaro na pandemia e na economia que agravará, ainda mais, o quadro dramático do desemprego no país.

Fonte: horadopovo.com.br/tragica-conduta-de-bolsonaro-na-pandemia-paralisa-producao-de-sete-montadoras