Fernanda Montenegro é eleita a mais nova imortal da Academia Brasileira de Letras – Hora do Povo

Atriz foi candidata única a assumir a cadeira deixada pelo diplomata e escritor Affonso Arinos – Foto: Divulgação

A atriz Fernanda Montenegro, a grande dama do nosso teatro, TV e cinema, foi eleita na quinta-feira (4) a mais nova imortal da Academia Brasileira de Letras (ABL).

Única concorrente a ocupar a cadeira 17, vazia desde a morte do diplomata e escritor Affonso Arinos de Mello Franco, em 2020, a falta de concorrentes ao posto, sempre muito concorrido, revela uma grande deferência e respeito à trajetória da atriz, como pontuou o presidente da ABL, Marco Lucchesi:

“Fernanda Montenegro é um dos grandes ícones da cultura brasileira. Intelectual engajada e sensível leitora do real. Sua presença enriquece os laços profundos da Academia com as artes cênicas. Com ela, adentram, luminosos, personagens que marcaram gerações, passado, presente e futuro”.

A atriz, premiadíssima nacional e internacionalmente, atuou em mais de 70 peças de teatro, cerca de 30 novelas e mais de 30 filmes, sendo, inclusive, a única atriz brasileira e latino-americana indicada ao Oscar de Melhor Atriz, pela participação em Central do Brasil, de Walter Salles.

A publicação com a qual se inscreveu para se tornar elegível à vaga na ABL foi a sua biografia “Prólogo, ato e epílogo”, lançada em 2019 pela Companhia das Letras e produzido em parceria com Marta Góes.

Não fosse a grandeza de ser considerada a maior atriz brasileira, de sua postura crítica e engajada em mais de 70 anos de carreira, premiando o país com seu talento e sensibilidade, ou com a lucidez dos seus 92 anos, uma personalidade como ela que afirma, como fez esta semana em entrevista à jornalista Malu Gaspar do jornal O Globo, referindo-se a Bolsonaro, que “esse governo é um vômito, uma punhalada no ventre”, já mereceria ocupar, não só a vaga na Academia Brasileira de Letras, mas todas as vagas onde houvesse um título de honraria.

Na mesma entrevista, ela também classificou Jair Bolsonaro de “desequilibrado e desqualificado”, e afirma que ele sedimentou uma “estrutura de direita cruel” no Brasil.

Segundo ela, temos que questionar por que Bolsonaro foi eleito, e ela mesma responde: “porque talvez os governos que o antecederam cumpriram só metade do prometido”.

Crítica de reeleições, Fernanda Montenegro diz que assim como não quer esse “monstro” e “horror” à frente do país, também não quer Lula, mas “um jovem candidato, sem as heranças negativas que nos trouxeram para este sufoco”, afirmou em outra entrevista, já como imortal da Academia.  

“Tudo está em extrema desgraça porque existe a reeleição, e para ser reeleito vale entregar a pátria, tirar o prato de comida de um desamparado, vale deixar que não tenham água encanada para se lavar desse vírus, vale não ter onde defecar porque não tem nem onde morar”, disse. Sobre o que mais ama fazer na vida atriz disse: “pretendo voltar aos palcos, se a pandemia não se demorar muito mais a ir embora. Vou voltar, se Deus quiser”.

Fonte: horadopovo.com.br/fernanda-montenegro-e-eleita-a-mais-nova-imortal-da-academia-brasileira-de-letras