Desmatamento na Amazônia Legal bate recorde histórico em outubro, diz Inpe – Hora do Povo

Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apontam que a Amazônia Legal teve uma área de 877 km² sob alerta de desmatamento, uma alta de 5% em relação a 2020 e recorde para o mês de outubro na série histórica.

Os números foram divulgados pelo Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter) do Inpe nesta sexta-feira (12).

A Amazônia Legal corresponde a 59% do território brasileiro, e engloba a área de 8 estados (Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins) e parte do Maranhão.

Os alertas foram feitos pelo Deter, que produz sinais diários de alteração na cobertura florestal para áreas maiores que 3 hectares (0,03 km²) – tanto para áreas totalmente desmatadas como para aquelas em processo de degradação florestal (por exploração de madeira, mineração, queimadas e outras).

O estado do Pará foi o estado com maior área sob alerta de desmatamento: 501 km². Em seguida vieram Amazonas, com 116 km², Mato Grosso, com 105 km², e Rondônia, com 100 km².

O Acre teve 40 km² sob alerta; Roraima, 8 km²; o Maranhão, 4 km²; o Amapá, 2 km²; e o Tocantins, 1 km².

Os dados apareceram dois dias depois de o ministro do meio ambiente Joaquim Leite afirmar na COP26 que o “futuro verde do Brasil já começou”.

Durante o discurso, Leite ainda defendeu o que chamou da “força da atual e real política ambiental brasileira” e destacou que, segundo o governo, os recursos para a área ambiental foram dobrados e novos concursos para agentes ambientais foram abertos.

Na COP26, que acontece em Glasgow, na Escócia, o Brasil tem ignorado os recordes de devastação e prometeu acabar com o desmatamento ilegal até 2028.

Para Márcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima, os dados mostram que o governo brasileiro não tem a menor intenção de cumprir os compromissos assinados na COP26. “As emissões acontecem no chão da floresta, não nas plenárias de Glasgow”.

“Em Glasgow, o governo montou um enorme espaço para vender a ilusão de que tem compromisso ambiental. Mas para o mundo, o que interessa não são os metros quadrados do stand brasileiro , e sim os quilômetros de floresta que são destruídas todos os dias”, diz Astrini.

Dessa mesma forma, para o Observatório do Clima, o Brasil tenta criar uma imagem de país preocupado com a crise climática, mas na prática não é bem assim.

“Sob pressão internacional, assinou acordos multilaterais contra o desmatamento e as emissões de metano, vem deixando seus diplomatas trabalharem de forma construtiva na negociação e montou um esquema gigantesco de propaganda com ajuda dos lobbies do agro e da indústria”.

“Em casa, porém, é que reside o tal ‘Brasil real’ de que tanto fala o ministro Joaquim Leite: um país que desmontou as políticas de combate ao desmatamento, maior causa de emissões de gases de efeito estufa, que gastou centenas de milhões de reais em operações militares inócuas e que tem ao menos cinco projetos de lei no Congresso que anistiam o roubo de terras, acabam com o licenciamento ambiental e ameaçam as terras indígenas, barreiras mais eficazes contra a devastação”, diz o Observatório do Clima

Fonte: horadopovo.com.br/desmatamento-na-amazonia-legal-bate-recorde-historico-em-outubro-diz-inpe