Instituições financeiras preveem estagnação econômica em 2022 – Hora do Povo

Inflação, juros e desemprego elevados e queda na renda derrubam produção, vendas e serviços. Foto: Tânia Rêgo/ Agência Brasil

Com novos aumentos da taxa básica de juros (Selic) em curso, o cenário econômico para 2022 será ainda mais recessivo do que o ano de 2021. Essa é a conclusão de economistas ligados a bancos e consultorias financeiras, cuja previsão de crescimento mediano do PIB brasileiro para 2022 é de apenas 0,4%.

Segundo a pesquisa do Valor Econômico, divulgada nesta quinta-feira (6), entre as 105 instituições financeiras e consultorias consultadas, 26 casas projetam um recuo da atividade econômica neste ano, outras 13 preveem estagnação do Produto Interno Bruto (PIB).

O maior banco privado do país, o Itaú Unibanco, estima queda de 0,5% do PIB em 2022, contra uma alta de 0,5% da atividade econômica, por conta do aumento dos juros, da inflação e do desemprego.

Entre as previsões de quedas estão:

·         Persevera  (-2,0%)

·         Exploritas  (-1,2%)

·         Fator (-1,0%)

·         Reag Investimentos (-0,8%)

·         Truxt Investimentos  (-0,8%)

·         Apex Capital  (-0,6%)

·         Itaú Unibanco (-0,5%)

·         Credit Suisse  (-0,5%)

·         Opportunity  (-0,5%)

·         Genoa Capital  (-0,5%)

·         ASA Investments  (-0,5%)

·         ABC Brasil  (-0,5%)

·         Trafalgar Investimentos  (-0,5%)

·         Greenbay Investimentos (-0,5%)

·         A.C. Pastore & Associados (-0,5%)

·         Haitong  (-0,4%)

·         Pantheon Macroeconomics (-0,4%)

·         Planner  (-0,4%)

·         SM Managed Futures (-04%)

·         Itaú Asset Management (-0,3%)

·         Quantitas (-0,3%)

·         Sul América (-0,2%)

·         Rio Bravo Investimentos (-0,2%)

·         Armor Capital 45% (-0,2%)

·         J.P. Morgan 4,6% (-0,2%)

·         Kínitro Capital (-0,2%)

Após o tombo de 4,1% do PIB em 2020, os economistas projetam um crescimento econômico em 2021 de 4,5%. No entanto, eles avaliam que a economia brasileira teve um desempenho ruim, não deixando bases para um possível crescimento neste ano.

Com o aumento da Selic pelo Banco Central de 2% para 9,25% ao ano, com aval de Bolsonaro e seu ministro da Economia, Paulo Guedes, os efeitos negativos sobre a economia foram imediatos, provocando quedas nos investimentos e no consumo das famílias. A elevação do juro só não fez cair a inflação.

O aperto monetário é apontado como um dos responsáveis pela queda na produção industrial, nas vendas do comércio varejista e no setor de serviços nos início do quarto trimestre do ano passado. No segundo e terceiro trimestre do ano passado, o Produto Interno Bruto ficou negativo, respectivamente, em 0,4% e 0,1%.

O quarto trimestre iniciou com quedas na produção industrial, nas vendas do comércio varejista e no setor de serviços e em novembro a produção industrial brasileira caiu registrando a sexta queda consecutiva.

Fonte: horadopovo.com.br/instituicoes-financeiras-preveem-estagnacao-economica-em-2022