Moraes prorroga inquérito que investiga as milícias digitais antidemocráticas – Hora do Povo

Roberto Jefferson, Allan dos Santos e Luciano Hang estão entre os investigados. Fotos: Reprodução – Montagem

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a prorrogação por mais 90 dias do inquérito que investiga as milícias digitais que atacam a democracia e suas instituições por meio de notícias falsas e ameaças.

“Considerando a necessidade de prosseguimento das investigações e a existência de diligências em andamento, nos termos previstos no art. 10 do Código de Processo Penal, prorrogo por mais 90 (noventa) dias, a partir do encerramento do prazo final anterior (6 de janeiro de 2022), o presente inquérito”, decidiu o ministro, que é relator do inquérito.

Esse inquérito (nº 4874) foi criado a partir de outra investigação que corria no STF, a das manifestações pró-golpe que Bolsonaro promoveu em 2020.

O inquérito tem como foco descobrir a organização e o financiamento de uma rede que atua na internet para atacar adversários de Bolsonaro e as instituições democráticas, valendo-se de fake news e de ameaças.

Jair Bolsonaro está na lista de investigados pelo inquérito devido às mentiras que divulgou em suas redes sociais contra as urnas eletrônicas.

Mesmo com o desmentido feito pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Bolsonaro continuou dizendo que as urnas eletrônicas foram fraudadas nas eleições anteriores, o que lhe servia para defender o voto impresso.

Para Alexandre de Moraes, “não há dúvidas de que as condutas do Presidente da República insinuaram a prática de atos ilícitos por membros da Suprema Corte, utilizando-se do modus operandi de esquemas de divulgação em massa nas redes sociais, com o intuito de lesar ou expor a perigo de lesão a independência do Poder Judiciário, o Estado de Direito e a Democracia”.

O inquérito das milícias digitais já serviu para desbaratar o site Terça Livre, que era usado pelo governo Bolsonaro para atacar a democracia e seus adversários.

O dono do site, Allan dos Santos, que recebeu ajudas financeiras de Eduardo Bolsonaro e Luciano Hang, dono das lojas Havan, está escondido nos Estados Unidos, fugindo de um mandado de prisão.

Também através do inquérito, o aliado de Bolsonaro e presidente do PTB, Roberto Jefferson, foi preso por conta de suas ameaças diretas à democracia e defesa de um golpe de estado bolsonarista.

Fonte: horadopovo.com.br/moraes-prorroga-inquerito-que-investiga-as-milicias-digitais-antidemocraticas