Castillo comemora vitória nas eleições peruanas – Hora do Povo

Pedro Castillo fala a apoiadores da sacada da sede do partido Peru Livre (Gian Masko /AFP)

“O povo falou”, declarou o candidato a presidente do Peru, Pedro Castillo, ao comemorar a vitória sobre a candidata herdeira da ditadura fujimorista, Keiko.

Em uma disputa voto a voto, a avaliação de Castillo e demais líderes de sua campanha, não há mais condições de reversão com a quantidade de votos que restam ser apurados.

O professor e líder comunitário se dirigiu aos ativistas que permanecem desde o começo da apuração reunidos em frente à sede do partido, em Lima, e o receberam aos brados de “Pedro! Pedro!” em Lima, para anunciar – com o chapéu que vestiu durante toda a campanha na mão e os braços abertos  – que sua vitória sobre sua adversária Keiko Fujimori é irreversível.

Com 99.820% das atas processadas, o professor tem 50.193% dos votos contra 49.807%, o que representa mais de 77 mil votos de vantagem sobre Fujimori até o fechamento desta matéria nesta quarta-feira (9).

A Fujimori esperava reduzir essa distância na etapa final da apuração, com a chegada dos votos dos peruanos no exterior. Mas, ao mesmo tempo, foram computadas as atas de regiões mais remotas do Peru, onde Castillo recebeu um apoio maciço.

“De acordo com o relatório de nossos representantes, já temos a apuração oficial do partido, onde o povo se impôs nesta façanha, a qual saudamos. Por isso, peço também que não caiam na provocação”, disse no início da sua fala.

Com os resultados que mostravam sua visível derrota, Keiko Fujimori começou a se pronunciar já na noite de segunda-feira (7) para falar de “irregularidades” e “fraude”.

Ela lançou a acusação sem provas em uma entrevista coletiva na qual não respondeu a perguntas. Foi uma reclamação que soou mais como um esperneio, um ato desesperado de quem é derrotado. Antes da votação, com as pesquisas contra, a mídia ligada a Fujimori começou a criar um cenário para denunciar fraudes se o resultado não os favorecesse. Na segunda-feira, Keiko usou esse cenário.

O partido de Pedro Castillo, contestou essas acusações. “Rejeitamos as declarações da candidata da Fuerza Popular, lembrando-lhe que o Peru Livre nunca recorreu à fraude eleitoral, pelo contrário, sempre foi vítima dela e, apesar de tudo, soubemos  enfrentar e vencer”.

O órgão eleitoral ainda não se pronunciou oficialmente, entretanto, o cientista político Fernando Tuesta, ex-chefe do ONPE, considerou que os argumentos usados ​​por Fujimori para falar de uma suposta fraude “são desprezíveis”.

“A Sra. Fujimori já tem um histórico de desconhecer os resultados. Há cinco anos, isso levou o país a níveis de ingovernabilidade e instabilidade”, disse, referindo-se à última eleição de 2016 que a candidata perdeu para Pedro Paulo Kuczynsky e negou-se a reconhecer a derrota.

Os observadores internacionais felicitaram o organismo eleitoral pela condução do pleito.

A crise que o país vive está sendo utilizada para prejudicar a candidatura de Castillo. O sol, a moeda local, caiu nos últimos dias perante a incerteza de um país já habitualmente agitado, com quatro presidentes na última meia década, que registra a maior taxa de mortalidade do mundo pela pandemia, com mais de 185 mil mortes em uma população de 33 milhões de habitantes e queda de mais de 11% no PIB (Produto Interno Bruto) em 2020.

 “Estão nos passando algumas rasteiras, como a alta do dólar, que amanhã vai subir alguns pontos mais, o preço do pão, o preço do frango, o preço da cesta familiar, como se fosse por causa da nossa candidatura. Mentira! O que acontece é que há certa incerteza, mas o povo já não acredita”, disse Castillo.

Além desse apelo a denúncias de fraude para gerar instabilidade, Keiko não se caracteriza por práticas honestas na sua ação política. Ela ainda é investigada pelo Ministério Público pelo caso de receptação de pagamentos ilegais da empresa brasileira Odebrecht, um escândalo que afetou quatro ex-presidentes peruanos. Ela já ficou 16 meses em prisão preventiva por este caso.

O professor Castillo relatou ter mantido contatos com empresários, setor que, durante a campanha, estavam alinhados com Fujimori e  manifestava rejeição à sua candidatura. “Acabo de ter conversas com o empresariado nacional que está mostrando seu respaldo ao povo. Faremos um governo respeitoso com a democracia, com a Constituição atual. Faremos um Governo com estabilidade financeira e econômica”,assinalou.

A apuração ainda não concluída mantém o Peru em vigília desde a noite de domingo. Para que o resultado final seja oficializado, é preciso que o Escritório Nacional de Processos Eleitorais (ONPE, na sigla em espanhol) compute todas as cédulas, incluindo as que chegam do exterior. O Tribunal Nacional de Eleições resolverá  posteriormente as impugnações apresentadas por ambos os lados, e depois disso diplomará o vencedor. A se confirmar o prognóstico de Castillo, Fujimori teria sido derrotada pela terceira vez consecutiva em um segundo turno das eleições presidenciais. A última, em 2016, também foi por uma margem muito estreita.

Fonte: horadopovo.com.br/castillo-comemora-vitoria-nas-eleicoes-peruanas