'Destruição do planeta não vai parar se não agirmos', diz Fernández

São Paulo – “O planeta atravessa um período de fogo e enchentes”, relata a vice-chefe da ONU, Amina Mohammed. A entidade divulgou estudos que apontam para os efeitos sensíveis das mudanças climáticas. enquanto o mundo assiste apático à escalada das tragédias naturais. “A destruição do planeta não vai parar se não agirmos”, disse ontem (8) o presidente da Argentina, Alberto Fernández.

Amina falou sobre os desafios que devem ser enfrentados pela humanidade em relação à crise ambiental durante o Diálogo sobre Soluções de Aceleração de Adaptação para as Mudanças Climáticas. Já Fernández abordou os mesmos temas durante a Cúpula Latino-Americana sobre Mudança Climática, da qual participaram líderes de 21 países da região. Ambos os eventos antecedem a Conferência das Partes sobre Mudanças Climáticas das Nações Unidas (COP-26), prevista para início no dia 1º de novembro, em Glasgow, na Escócia.

Embora o Brasil sofra com uma seca histórica, crise hídrica, incêndios florestais e desmatamento sem precedentes, o presidente Jair Bolsonaro não participou de nenhum dos eventos. Além da insegurança hídrica, as ameaças do clima no Brasil significam insegurança energética, perdas econômicas e sociais. Enquanto biomas são degradados no Brasil, o país, sob Bolsonaro, assume um papel de vilão global. Até mesmo boicotes aos produtos do agronegócio brasileiro são cogitados pela comunidade internacional.

Mudanças climáticas

Eventos extremos que o presidente argentino atribui ao processo de destruição do planeta são cada vez mais constantes em todo o mundo. Relatório recente das Nações Unidas alerta que o aquecimento global chegou em um ponto sem retorno, com elevação de 1,2 grau desde a industrialização. Cabe agora aos países trabalharem para mitigar os desdobramentos das catástrofes, além de impedir o agravamento da crise. “Os efeitos irão se reverberar por entre as economias, comunidades e ecossistemas, apagando ganhos de desenvolvimento, agravando a pobreza, aumentando a migração e exacerbando as tensões”, argumenta Amina.

A especialista acredita que ações duras para limitar as emissões de gases do efeito estufa, além da preservação de biomas e de recursos naturais, podem evitar maiores colapsos. “Isso, desde que sejam dados passos ousados e decisivos rumo a uma economia global de emissão líquida zero carbono até 2050. Durante a COP-26, a comunidade internacional deve discutir novas metas sobre o clima. Será o encontro mais importante desde a assinatura do Acordo de Paris em 2016. A conferência também marca a volta dos Estados Unidos como protagonista no debate, após uma ruptura durante a gestão negacionista do ex-presidente Donald Trump, par ideológico de Bolsonaro.

Desigualdades e controvérsias

Entre as discussões em pauta está a amplificação de desigualdades ocasionada pelas mudanças climáticas. “Países e populações no mundo todo – particularmente aqueles mais vulneráveis e menos responsáveis pela crise climática – viverão consequências ainda mais devastadoras. Atuar agora é uma questão de justiça climática. E temos as soluções “, destacou Amina.

Na cúpula latino-americana, Fernández também alertou sobre o tema. Ele lembrou que nenhum país do bloco está entre os mais poluentes do mundo, entretanto, a região deve ser uma das mais afetadas. “Precisamos de justiça social ambiental, que é o novo nome para o desenvolvimento em nossa região. Temos a necessidade de pensar em mecanismos inovadores que nos permitam reconstruir e fortalecer melhor os laços de cooperação para cuidar de nossos territórios e comunidades”, disse. O argentino ainda saudou a postura do presidente norte-americano, Joe Biden, em reestabelecer “uma agenda do clima como uma prioridade política e econômica em nível global”.

A relevância da COP-26 para a humanidade fez com que mais de 1.500 ONGs internacionais assinassem uma carta para pedir o seu adiamento. Isso porque o mundo sofre com a desigualdade vacinal. No enfrentamento da pandemia de covid-19, países mais pobres não conseguem avançar com a vacinação, o que pode provocar a ausência de representantes destes países na conferência. A ausência pode ser motivadora de mais desigualdades, alertam as entidades. E o agravamento das desigualdades também está entre os fatores de destruição do planeta, uma vez que não há sustentabilidade possível para economias concentradoras de riqueza.

Em debate sobre ‘os colapsos’ do Brasil de Bolsonaro, cientistas defendem educação para a democracia

“Faltando apenas duas semanas, é evidente que uma conferência do clima segura, inclusiva e justa é impossível. Em razão das falhas de suporte no acesso a vacinas para milhões de pessoas em países pobres, dos altos custos de viagem e hospedagem e da incerteza no curso da pandemia”, afirmam. Entre as signatárias, entidades de relevância como a WWF, o Greenpeace e a Conservation International.

A exclusão pode ser, inclusive, determinada por medidas sanitárias do Reino Unido. A Escócia, assim como Inglaterra, Irlanda, Irlanda do Norte e País de Gales, adotam uma “lista vermelha” da covid-19. Estão nesta lista países com baixa porcentagem de vacinas aplicadas. “Uma COP presencial no início de novembro excluiria na prática os delegados de muitos governos, ativistas da sociedade civil e jornalistas. Particularmente dos países do Sul Global, vários dos quais na lista vermelha que o Reino Unido adota para a Covid-19”, prosseguem as ONGs.

O presidente da COP-26, Alok Sharma, não se manifestou sobre o adiamento do evento. Mas garantiu esforços junto ao governo britânico para garantir a presença de delegados de toda a comunidade internacional. “Garantir que as vozes daqueles mais afetados pela mudança climática seja ouvida é uma prioridade. Se queremos honrar nosso planeta, precisamo que todos os países e a sociedade civil tragam suas ideias e suas ambições para Glasgow”, disse.

Fonte: www.redebrasilatual.com.br/ambiente/2021/09/destruicao-planeta-nao-vai-parar-se-nao-agirmos-alberto-fernandez