Moscou repudia declaração da Otan sobre colocar 'mais a leste' suas armas nucleares – Hora do Povo

Konstantin Gavrilov chefia a delegação russa nas conversações de Viena sobre segurança militar e controle de armas. (Divulgação)

É a confirmação de que Otan “perdeu toda conexão com a realidade”, disse em Genebra o embaixador Gravilov

“Estas declarações são mais uma confirmação de que a Otan perdeu toda a conexão com a realidade”, afirmou o chefe da delegação russa nas negociações de Viena sobre segurança e controle de armas, Konstantin Gavrilov, reagindo à declaração do secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, sobre a implantação de armas nucleares a leste da Alemanha caso Berlim se recuse a mantê-las.

Stoltenberg, em discurso na Associação Atlântica Alemã, disse que, caso a Alemanha não aceite mais ter armas nucleares em seu solo, a alternativa da Otan será levá-las mais para leste, alegando a suposta “ameaça de Moscou”.

O secretário-geral da Otan disse que “cabe à Alemanha decidir se há armas nucleares em seu país”, mas a alternativa seria implantá-las “em outros países da Europa, também a leste da Alemanha”.

Anteriormente Stoltenberg havia dito que, com a saída iminente da primeira-ministra alemã Angela Merkel do cargo, havia preocupações de que Berlim poderia recusar a compra de novas aeronaves com capacidade nuclear. Em 2010, o parlamento alemão votou pela retirada das armas nucleares do país.

O vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Alexander Grushko, disse à RIA Novosti, que os comentários eram uma ameaça aos acordos de paz existentes. “Se ele realmente disse isso, significa que para a Otan, a voz coletiva pela qual o secretário-geral fala, o Ato Fundador das relações Rússia-Otan não existe mais.”

De acordo com os termos do Tratado sobre o Acordo Final com Relação à Alemanha, que entrou em vigor em 15 de março de 1991, a Alemanha renunciou à fabricação, posse e controle de armas nucleares, biológicas e químicas. No final de junho de 1991, a URSS retirou todas as suas forças nucleares da Alemanha Oriental.

No entanto, a Alemanha ainda hospeda armas nucleares dos EUA e até 20 bombas nucleares táticas US B61 estão estacionadas, de acordo com relatórios não confirmados, na Base Aérea de Buchel.

Gravilov acrescentou que “em vez de responder ao apelo da Rússia para diminuir as tensões na Europa, um alto funcionário diz que a Otan se aproximará ainda mais das fronteiras de nosso país em termos de armas nucleares”.

“Acredito que ele esteja ciente das consequências que tal passo pode acarretar”, afirmou o representante russo, assinalando que “a situação atual na Europa já é explosiva por natureza”.

“Somos obrigados a tomar medidas para proteger e garantir nossos interesses e nossa segurança”, acrescentou o diplomata.

O Ato Fundador sobre Relações Mútuas, Cooperação e Segurança, assinado entre a Rússia e o bloco liderado pelos EUA, foi assinado em maio de 1997. Sob o acordo, Moscou e a Otan não se consideram oponentes e devem se esforçar para “superar os remanescentes de o confronto e rivalidade anteriores”, bem como trabalhar na construção de confiança mútua e relações de cooperação. Separadamente, o documento também prometia não implantar armas nucleares no território de novos membros da Otan, após essa data.

A Rússia também tem denunciado que a presença de armas nucleares norte-americanas, em países não-nucleares europeus, é uma violação evidente do Tratado de Não-Proliferação. O vice de Sergei Lavrov, Sergei Ryabkov, compartilhou no ano passado as “esperanças de Moscou de que os EUA parem de ‘compartilhar’ armas nucleares com seus aliados e parem de implantar armas nucleares em países que não possuem tais armas”. Ele prosseguiu dizendo que tais ações levam à “desestabilização e, além disso, novos riscos aparecem”.

Esta semana, Moscou tinha salientado que a oferta de uma moratória na instalação de mísseis intermediários na Europa continuava sobre a mesa.

Fonte: horadopovo.com.br/moscou-repudia-declaracao-da-otan-sobre-colocar-mais-a-leste-suas-armas-nucleares