Polícia do Rio de Janeiro inicia uso de câmeras portáteis nas fardas no Réveillon – Hora do Povo

Foto: Divulgação PM/RJ

A Polícia Militar do Rio de Janeiro deu inicio ao uso câmeras no uniforme de policiais nesta sexta-feira (31). Os equipamentos irão reforçar as operações de segurança durante o Réveillon em Copacabana.

Inicialmente, apenas policiais militares do 19º BPM (Batalhão da Polícia Militar) irão utilizar as câmeras. Durante 2022, os equipamentos serão instalados em outros agentes da PM, além da Polícia Civil, Defesa Civil e outros 10 órgãos Estaduais.O objetivo é que todas as atividades e abordagens sejam gravadas. O programa de câmeras portáteis em agentes de segurança pública foi lançado em 13 de dezembro de 2021. O objetivo é fazer com que as filmagens aumentem a transparência e a fiscalização das ações policiais.

O treinamento para os policiais utilizarem as câmeras começou ainda em dezembro. O Réveillon será um teste de como a tecnologia será incorporada no dia a dia dos agentes de segurança pública.

Entre as questões testadas está a logística. As câmeras filmam 12 horas seguidas depois da retirada de sua base, que ficará nos batalhões. Os policiais precisaram utilizar o reconhecimento fácil para retirar a câmera.

As imagens capturadas serão transmitidas em tempo real para o CICC (Centro Integrado de Comando e Controle). No centro, as imagens ficaram armazenadas em uma nuvem, que pode manter as informações por até um ano. Segundo o governo, as câmeras não permitem edição ou manipulação de imagens.

No total, o Estado adquiriu 21.571 câmeras corporais. Assim, o investimento na tecnologia ficou R$ 6,4 milhões mensais. Segundo o governo do Rio, o valor foi 70% menor do que o esperado.

A distribuição entre os órgãos de segurança e o cronograma ainda não foram divulgados pelo Estado.

VIOLÊNCIA POLICIAL

Um estudo da Rede de Observatórios de Segurança indica que o Rio de Janeiro é o Estado que mais mata pessoas negras em ações policiais. Dados oficiais de 2020 indicam que foram 939 pessoas negras mortas pela polícia. Considerando o total, foram 1.245 — também o maior número entre os Estados incluídos no estudo.A Rede de Observatórios coleta dados de cinco Estados: Bahia, Ceará, Maranhão, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro e São Paulo.

Com a gravação das ações policiais, é esperado que a violência diminua. Dados do Programa “Olho Vivo”, de câmeras corporais em 18 batalhões da PM de São Paulo, indicam que essa é a tendência. Os dados indicam que em julho a letalidade caiu para o menor nível em oito anos apenas um mês depois que a tecnologia foi adotada.

Fonte: horadopovo.com.br/policia-do-rio-de-janeiro-inicia-uso-de-cameras-portateis-nas-fardas-no-reveillon