Entenda o mieloma múltiplo, câncer que matou Cristiana Lôbo – ViDA & Ação

A jornalista e colunista de política Cristiana Lôbo, de 64 anos, morreu nesta quinta-feira (11), após um longo tratamento contra o mieloma múltiplo, um tipo raro de câncer, quando as células plasmáticas se tornam cancerígenas e crescem fora de controle. Comentarista de Política da Globonews e do Portal G1, ela tratava há alguns anos o tumor, que acomete a medula óssea. Ela estava sendo tratada no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, e seu estado de saúde piorou após ela ter uma pneumonia.

A doença afeta os plasmócitos, que são glóbulos brancos, cuja função é proteger o organismo contra infecções. A mutação de genes faz com que sejam produzidas células defeituosas. Os anticorpos deixam de ser produzidos pelo corpo e são criadas as chamadas “proteínas monoclonais”.

“As células plasmáticas produzem uma proteína anormal (anticorpo) conhecida por vários nomes, incluindo imunoglobulina monoclonal, proteína monoclonal (proteína M), espícula M ou paraproteína”, explica o Instituto Oncoguia.

No  , o aumento excessivo de células plasmáticas na medula óssea pode desalojar as células normais formadoras de sangue, levando a uma diminuição da contagem de células sanguíneas.

A falta de glóbulos vermelhos pode causar anemia. O   também pode causar uma diminuição no nível das plaquetas (trombocitopenia), o que pode provocar hemorragias e hematomas. Outra condição que pode se desenvolver é a leucopenia (escassez de glóbulos brancos) que pode causar problemas no combate às infecções.

Leia mais

Saiba mais sobre a doença

Problemas ósseos e cálcio

As células do  também interferem nas células que ajudam a manter os ossos fortes. Os ossos vão reconstruindo-se constantemente. Normalmente, os dois tipos principais de células ósseas trabalham juntos para que isto aconteça. As células que geram um novo osso são denominadas osteoblastos. As células que destroem o osso velho são chamadas osteoclastos.

As células do  produzem uma substância que envia um sinal aos osteoclastos para aumentar a velocidade de destruição óssea. Se os osteoblastos não recebem um sinal para formar um osso novo, o osso velho é destruído sem ter um osso recém-formado para substituí-lo, debilitando os ossos e provocando fraturas mais facilmente. Isso causa um aumento nos níveis de cálcio no sangue.

Infecções

As células plasmáticas anormais não protegem o organismo de infecções. Como já mencionado, as células plasmáticas normais produzem anticorpos que atacam os germes. As células normais do plasma são substituídas pelas do  , impossibilitando assim a produção de anticorpos para combater as infecções. Os anticorpos produzidos pelas células de  não atuam no combate às infecções, porque são apenas cópias das células plasmáticas.

Problemas renais

O anticorpo produzido pelas células do  pode danificar os rins, levando a problemas no órgão e insuficiência renal.

Gamopatia monoclonal

A presença de muitas cópias do mesmo anticorpo é denominada gamopatia monoclonal. Essa condição pode ser detectada no exame de sangue. Ter gamopatia monoclonal não significa ter  , porque ela ocorre em outras doenças, como na macroglobulinemia de Waldenstrom e alguns linfomas.

Além disso, algumas pessoas têm gamopatia monoclonal, mas ao contrário do  , não apresentam quaisquer problemas. Essa condição é denominada gamopatia monoclonal de significado indeterminado (MGUS). Pacientes com MGUS podem desenvolver   e outras doenças.

Gamopatia monoclonal de significado indeterminado

Na MGUS, as células plasmáticas anormais produzem muitas cópias do mesmo anticorpo. No entanto, essas células plasmáticas não formam um tumor ou massa real e não provocam qualquer um dos outros problemas observados no  .

Algumas pessoas com MGUS irão, eventualmente, desenvolver  , linfoma ou amiloidose. O risco é maior em pessoas com níveis de proteína elevados. Os pacientes com MGUS não necessitam de tratamento, mas devem ser acompanhados clinicamente.

Plasmacitomas solitários

Esse é outro tipo de crescimento anormal de células plasmáticas. Ao contrário de muitos tumores em diferentes localizações, como no  , existe apenas um tumor, daí o nome plasmocitoma solitário. Na maioria das vezes, o plasmocitoma solitário se desenvolve no osso, onde é denominado plasmacitoma solitário ósseo. Quando o plasmacitoma se inicia em outros tecidos, como pulmões ou outros órgãos, é denominado plasmocitoma extramedular.

  latente

É um  assintomático que não causa nenhum problema. Pessoas com  latente apresentam sintomas como, grande quantidade de células plasmáticas na medula óssea, alto nível de imunoglobulina monoclonal no sangue ou alto nível de cadeias leves (denominada proteína de Bence Jones) na urina.

Mas, essas pessoas têm contagens de sangue normais, níveis normais de cálcio, função renal normal, sem danos aos ossos ou órgãos e sem sinais de amiloidose. Os pacientes com   latente não precisam de tratamento imediato, porque a doença pode levar de meses a anos para se tornar  ativo (sintomático).

Amiloidose de cadeia leve. Os anticorpos são compostos de cadeias de proteínas, 2 cadeias leves e 2 cadeias curtas mais pesadas. Na amiloidose de cadeia leve ou primária as células plasmáticas anormais produzem mais cadeias leves. Podem depositar-se nos tecidos, onde se acumulam.

Esse acúmulo de cadeias leves pode formar uma proteína anormal em tecidos conhecidos como amiloide. O acúmulo de amiloide em determinados órgãos pode provocar o mau funcionamento deles. Por exemplo, quando a amiloide se acumula no coração pode provocar arritmias, insuficiência cardíaca congestiva, com sintomas como falta de ar e inchaço nas pernas.

Embora alguns pacientes com   não apresentem sintomas, os mais frequentes são:

Problemas ósseos

Dor óssea, em qualquer osso, porém mais frequente nas costas, quadris e crânio. Fraqueza óssea no corpo todo (osteoporose) ou onde houver um plasmocitoma. Fraturas, às vezes, devido a apenas um pequeno estresse ou lesão.

Baixas taxas sanguíneas

Quando as células do  substituem as células normais produtoras do sangue da medula óssea, isso resulta numa falta de glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas. Uma quantidade reduzida de glóbulos vermelhos (anemia) causa fraqueza, falta de ar e tonturas. Uma quantidade menor de glóbulos brancos (leucopenia) diminui a resistência às infecções. A diminuição das plaquetas no sangue (trombocitopenia) pode causar sangramentos importantes.

Nível de cálcio no sangue aumentado

Quando as células do  dissolvem o osso, cálcio é liberado, podendo aumentar o nível de cálcio no sangue (hipercalcemia). Isso pode causar desidratação e inclusive insuficiência renal. O aumento do cálcio também pode provocar constipação, perda de apetite, fraqueza, sonolência e confusão. Se o nível de cálcio é muito alto, pode levar ao coma.

Sintomas do sistema nervoso

Se o  enfraquecer os ossos da coluna vertebral, eles podem fraturar e pressionar os nervos espinhais. Essa condição denominada compressão da medula espinhal pode causar dor súbita intensa, dormência ou fraqueza muscular. É considerada uma emergência médica e um médico deve ser imediatamente contatado. Se a compressão da medula espinhal não for tratada imediatamente, existe a possibilidade de paralisia permanente.

Danos nos nervos

Às vezes, as proteínas anormais produzidas pelas células do  são tóxicas para os nervos. Esse dano pode levar a fraqueza e dormência e, às vezes, a neuropatia periférica.

Hiperviscosidade

Em alguns pacientes, grandes quantidades de proteína do  podem fazer com que o sangue se torne espesso. Esse aumento da densidade, denominado hiperviscosidade, pode retardar o fluxo sanguíneo para o cérebro e provocar confusão, tontura e sintomas de um acidente vascular cerebral, como fraqueza em um lado do corpo e fala arrastada.

Os pacientes com esses sintomas devem entrar em contato, imediatamente, com seu médico. Para remover o excesso de proteína do sangue e reverter esse processo precisará ser realizado um procedimento denominado plasmaferese.

Problemas renais

A proteína do  pode danificar os rins. Inicialmente, isso não causa nenhum sintoma, mas pode ser diagnosticado com um exame de sangue ou urina. À medida que os rins começam a falhar, eles perdem a capacidade de eliminar o excesso de sal, líquidos e detritos do organismo, podendo levar a sintomas como fraqueza, falta de ar, coceira e inchaço nas pernas.

Infecções

Os pacientes com  são mais propensos a contrair infecções. Isso acontece porque o corpo é incapaz de produzir anticorpos para ajudarem no combate às mesmas. A pneumonia é uma infecção comum e grave em pacientes com .

Textos originalmente publicado no site da , livremente traduzido e adaptado pela equipe do Instituto Oncoguia.

 

Por Favor, Compartilhe!

Fonte: www.vidaeacao.com.br/entenda-o-mieloma-multiplo-cancer-que-matou-cristiana-lobo