Tratamento do câncer de mama interfere na libido? – ViDA & Ação

De acordo com pesquisa recente do Observatório Febraban (Federação Brasileira de Bancos), 86% dos brasileiros manifestam preocupação com as ‘fake news’. Outro estudo chamado ‘Iceberg Digital’, lançado pela da empresa de cibersegurança Kaspersky, apontou que os brasileiros não sabem identificar quando uma notícia na internet é falsa ou não. Esses levantamentos abrem espaço para uma vulnerabilidade, fundamentalmente, quando se fala em notícias sobre saúde.

No mês dedicado a chamar a atenção sobre a importância dos cuidados com a prevenção e o tratamento do câncer de mama, Maria de Fátima Gauí, oncologista clínica do Americas Oncologia Integrado (ACOI), no Rio de Janeiro, lista alguns mitos e verdades sobre uma doença que, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), poderá acometer mais de 66 mil mulheres, a cada ano, no triênio 2020 -2022. Confira abaixo:

Usar medicamento anticoncepcional pode causar câncer de mama. VERDADE. De acordo com a especialista, o anticoncepcional oral é um dos fatores de risco para o câncer de mama apesar de ter um impacto muito baixo como causador.

Usar desodorante roll-on, prótese de silicone ou sofrer algum tipo de trauma (pancada) no seio podem causar câncer de mama. MITO. Conforme afirma a especialista, a informação não procede, pois não há nenhuma evidência científica que relacione esses fatores ao problema. O mesmo em relação ao trauma.

Fazer cirurgia plástica ou implante de prótese mamária é fator de risco. MITO. Conforme aponta a médica, trata-se de um mito em relação aos fatores causadores do câncer de mama. Estes procedimentos não aumentam o risco, apenas dificultam o diagnóstico de um tumor maligno. No entanto, vale ressaltar, que o implante de próteses mamárias está relacionado a um aumento do linfoma não Hodgkin em mama.

Fazer reposição hormonal é um risco para câncer de mama. VERDADE. A médica explica que a afirmação é verdadeira, pois alguns subtipos de câncer de mama, os chamados luminais, que representam cerca de 60% desses tumores, são estimulados pelos hormônios sexuais. O tempo de utilização e o tipo de reposição (estrogênio e progesterona concomitantes) podem aumentar esse risco. Portanto, a reposição hormonal não deve ser feita por conta própria. Os riscos individuais e os benefícios devem ser avaliados e discutidos com as pacientes.

Fertilização in vitro representa uma causa para câncer de mama. MITO. As publicações científicas apontam que essa afirmação não é verdadeira. Apesar de se utilizar hormônios para induzir a ovulação no processo de fertilização, não existem estudos que comprovem seu malefício. Provavelmente, pelo fato, do tempo de exposição ser pequeno.

Fazer o autoexame substitui a mamografia. MITO. Como aponta a especialista, o autoexame não permite detectar o tumor no estágio inicial, quando as chances de cura são maiores. Além disso, o nódulo pode passar despercebido em mamas densas, especialmente, nas pacientes mais jovens.

O tratamento do câncer de mama interfere na libido da paciente.

VERDADE. A redução da produção de hormônios sexuais é uma das formas mais efetivas de tratamento (hormonioterapia) do câncer luminal (receptores hormonais positivos). A menopausa pode ser induzida temporariamente ou definitivamente pela quimioterapia ou pela hormonioterapia. A redução de hormônios sexuais séricos promove queda da libido. “Obviamente, existem outras formas de melhorar a libido das pacientes”, ressalta a médica.

Fazer mamografia anualmente aumenta as chances de câncer de mama, por causa da radiação. MITO. A dose de radiação utilizada na mamografia não é suficiente para causar o câncer induzido por radiação, mesmo quando realizada anualmente.

Todo o tratamento de câncer de mama precisa da quimioterapia. MITO. O tratamento de quimioterapia pode ser usado antes da cirurgia e se chama quimioterapia neoadjuvante. Tem como objetivo reduzir o tumor para operá-lo, caso seja grande. A quimioterapia é utilizada após a cirurgia com o objetivo de diminuir a chance de retorno da doença local e à distância, sendo denominado quimioterapia adjuvante. Devendo este risco ser calculado. Também pode ser usada no tratamento de doença com metástases. Ainda assim, não são todos os tipos de tumores se que beneficiam de quimioterapia, alguns são tratados somente com a hormonioterapia.

Mulheres que não tiveram filhos têm mais chances de ter câncer de mama. VERDADE. O câncer de mama tem como fator de risco os hormônios sexuais sejam eles externos ou internos. Mulheres que não tiveram filhos tem mais ciclos menstruais. O mesmo acontece com as que engravidaram tardiamente. Além disso, a gestação causa um amadurecimento das células da glândula mamária.

Toda mulher que enfrenta o câncer de mama irá perder os cabelos. MITO – Nem todas. Os quimioterápicos mais importantes no tratamento do câncer de mama causam a queda do cabelo. Entretanto, atualmente, utilizamos crioterapia para tentar evitar a queda, caso estes medicamentos sejam os indicados.

Crioablação é uma alternativa de tratamento para o câncer de mama. MITO. A crioablação só serviria para substituir a cirurgia de mama em tumores pequenos. Entretanto, não existem estudos suficientes que comprovem sua segurança.

Paciente em tratamento do câncer de mama não pode fazer atividade física, porque dá metástase. MITO. O exercício físico não só diminui o risco de câncer de mama como também reduz a probabilidade de retorno da doença. Fator independente da obesidade. Existem várias justificativas para esta proteção como aumento de imunidade, redução de insulina sérica, entre outros.

Ter filho mais cedo reduz as chances de desenvolver o câncer de mama. VERDADE. Como explicado anteriormente, a glândula mamária sofre um amadurecimento das células dos seios.

Não tomar sol previne o câncer de mama MITO. O sol não é um fator de risco para câncer de mama e sim para melanoma (câncer de pele). Quando o paciente está em quimioterapia, é recomendável evitar o sol devido à sensibilidade da pele.

Trocar açúcar por óleo de coco pode ajudar na cura MITO. Para ajudar na cura do câncer, o recomendado é o diagnóstico precoce. Depois a cirurgia e os tratamento com radioterapia, quimioterapia e hormonioterapia. A ingestão de grandes quantidades de açúcar é prejudicial para a saúde ocasionando obesidade e diabetes, que são fatores de risco para o câncer de mama.

Tomar chá de Erva de São João ajuda no combate ao câncer de mama. MITO. Não existe nenhum estudo científico que comprove esta informação que circula na internet. Porém, existem várias pesquisas que demonstram a interferência da erva de São João (Hipericum perforatum) com determinados medicamentos, inclusive, alguns utilizados no tratamento do câncer.

 

 

Por Favor, Compartilhe!

Fonte: www.vidaeacao.com.br/tratamento-do-cancer-de-mama-interfere-na-libido