Secretário de Defesa dos EUA virá ao Brasil e pedirá a militares respeito à democracia

Foto: Pedro Ladeira/Arquivo/Folhapress O presidente Jair Bolsonaro 26 de julho de 2022 | 08:45

Secretário de Defesa dos EUA virá ao Brasil e pedirá a militares respeito à democracia

mundo

Em visita ao Brasil nesta semana, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, deve fazer coro aos pedidos para que militares respeitem o sistema democrático, disse à agência de notícias Reuters uma autoridade da pasta sob condição de anonimato.

Austin, general reformado escolhido por Joe Biden para comandar o aparato militar americano, vem ao país para participar do encontro multilateral sobre defesa e segurança das Américas, que tem o Brasil como sede para o biênio 2021/2022. Os encontros ocorrem em Brasília.

Austin discursa nesta terça (26) e quarta-feiras (27) e, de acordo com o relato feito à Reuters, reforçará a mensagem sobre a necessidade de as Forças Armadas não interferirem em pilares democráticos como as eleições. A fala não citaria, necessariamente, o Brasil.

Capitão reformado do Exército, Jair Bolsonaro (PL) novamente terá um egresso das Forças Armadas como candidato a vice em sua chapa para a Presidência —desta vez, Braga Netto, militar da reserva que já atuou como ministro da Defesa e ministro-chefe da Casa Civil.

Durante o evento de oficialização de sua candidatura no último fim de semana, o presidente defendeu o papel dos militares em seu governo, alçados a diversos postos de administração e comando de estatais.

O democrata Tom Malinowski, membro do Comitê de Relações Exteriores da Câmara dos EUA, disse à Reuters que Austin deveria deixar claro que os militares têm o dever de permitir que disputas eleitorais sejam resolvidas por meios constitucionais. “E deve lembrar que a lei dos EUA impede nossa cooperação com militares estrangeiros que participam de qualquer coisa que possa se assemelhar a um golpe.”

Sob o atual governo, militares têm promovido questionamentos ao sistema de urnas eletrônicas, algo até então incomum para as Forças Armadas, o que coincide com o discurso de Bolsonaro, que busca desacreditar o modelo e propagar discursos sem fundamento.

As falas de Austin não deveriam ser interpretadas como uma mensagem de interferência nas eleições, mas sim de que Washington acredita no sistema eleitoral brasileira como capaz de gerir uma eleição livre e justa, acrescentou o alto funcionário da Defesa.

Ainda à Reuters Nicholas Zimmerman, ex-assessor da Casa Branca, disse que “o risco de que alguns membros das Forças Armadas acompanhem os esforços antidemocráticos deve ser levado a sério”.

Caso concretizada, a fala de Austin não seria a primeira mensagem do tipo dos EUA direcionada ao Brasil. Há uma semana, Ned Price, porta-voz do Departamento de Estado americano, também deu declarações afirmando que os EUA confiam no sistema eleitoral brasileiro, descrito por ele como um modelo.

A fala veio após Bolsonaro, em reunião convocada com embaixadores, disseminar mentiras sobre as urnas eletrônicas, desacreditar o sistema eleitoral, oxigenar novas ameaças golpistas e atacar, novamente, o STF (Supremo Tribunal Federal).

Folhapress

Fonte: politicalivre.com.br/2022/07/secretario-de-defesa-dos-eua-vira-ao-brasil-e-pedira-a-militares-respeito-a-democracia