Senadores podem fazer frente ampla de oposição | O Imparcial

Com a aproximação das eleições de 2022 os posicionamentos políticos na cena maranhense vão se definindo cada vez mais.

O senador Roberto Rocha (PTB) deve anunciar hoje às 16h, em entrevista coletiva à imprensa, que não irá disputar o cargo de governador do Maranhão, para disputar sua reeleição ao senado.

O parlamentar já havia antecipado a decisão na última quinta-feira (28) durante uma entrevista a uma emissora de televisão.

Com a desistência da candidatura ao maior cargo do executivo maranhense, Roberto Rocha focará para continuar sendo senador, além de tentar eleger o seu filho Roberto Júnior a uma vaga na Câmara Federal pela legenda petebista. 

E para que seu novo projeto político se realize, o parlamentar poderá contar com apoio do também do PDT, comandado pelo senador Weverton Rocha, do PSD, liderado pelo deputado federal Edilázio Júnior, e o PL presidido por Josimar de Maranhãozinho, que devem juntos anunciar apoio a Roberto Rocha para a reeleição.

A intenção é que se faça uma frente ampla de oposição. Essa costura política estaria sendo articulada a alguns meses pelo senador Weverton Rocha, que rompeu definitivamente com ex-governador Flávio Dino, na última sexta-feira (29). Em entrevista para o podcast Sai da Lama, o senador e pré-candidato ao governo do Maranhão disparou.  

“Uma coisa o nosso grupo já tomou a decisão política. Nós não vamos votar no Flávio Dino. Depois de tudo o que ele fez e a forma agressiva, dura, difícil e tudo o que vocês viram, não precisa eu falar. Foi feito, não tem como essa opção que ele fez. O caminho que ele procurou percorrer não é o nosso. Então não temos como estar juntos. O candidato nós vamos discutindo e nos próximos dias vamos definir”, declarou Weverton Rocha.

Com este gesto político está cada vez mais próximo o entendimento entre senadores Weverton Rocha  e Roberto Rocha  e o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) para que se faça uma frente ampla tanto a Flávio Dino quanto a Carlos Brandão nas urnas em 2022.

A intenção é que Weverton deva seguir como candidato a governador, Roberto Rocha como candidato à reeleição para o Senado e Josimar de Maranhãozinho decline da sua pré-candidatura ao governo para disputar a reeleição na Câmara dos Deputados.

Especulá-se ainda, que a abdicação de Josimar estaria condicionada à indicação de sua mulher, a ex-prefeita de Centro do Guilherme, a deputada estadual, Maria Deusdeth, a Detinha,  ao cargo de vice-governadora na chapa majoritária do senador pedetista.

Vale ressaltar que uma união de forças entre Roberto Rocha, Josimar de Maranhãozinho, Edilázio Júnior fortalece a pré-candidatura de Weverton Rocha para que o mesmo possa  garantir uma possível disputa  num segundo turno.

Fonte: oimparcial.com.br/noticias/2022/05/senadores-podem-fazer-frente-ampla-de-oposicao